Afinal, o que é empoderamento feminino?

Publicado em às 10h56

Nos últimos anos vem crescendo bastante o uso da expressão “empoderamento”, principalmente ligada às mulheres. Mas você já parou para entender o real significado e impacto deste conceito no cotidiano?

Começando pelo significado da palavra, empoderar quer dizer: conseguir poder, tornar-se ainda mais poderoso, se referindo à capacidade do indivíduo realizar (por si mesmo) as mudanças necessárias para evoluir e se fortalecer.

Trazendo isso para a realidade feminina, o empoderamento feminino é um movimento onde a mulher toma o poder para si, buscando se fortalecer e promover ações pela igualdade de gênero, tomando enfim suas próprias decisões depois de muito tempo de desigualdade, de machismo.

A criação da maioria das mulheres foi bem machista, onde homens diziam o que era adequado ou não para suas vidas. Isso fazia com que as mulheres deixassem de ser protagonistas de suas próprias histórias e por isso o movimento de empoderamento das mulheres está se tornando tão impactante e fazendo tanto barulho na sociedade, deixando as mulheres livres para fazerem suas próprias escolhas.

Escolhas na forma de se vestir, aderindo à moda que preferirem independente do que os outros vão pensar. Escolhas na área onde vão trabalhar, seja atuando como médica, dona de casa, caminhoneira ou eletricista. Escolhas em todos os rumos que acharem que devem seguir em suas vidas.

Por isso, o empoderamento feminino não é apenas um movimento interno da mulher, mas sim um movimento social. E para que este movimento seja realmente efetivo e conquiste a igualdade de gênero é necessária a contribuição de todos.

A Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e Empoderamento das Mulheres (ONU Mulheres) inclusive divulgou uma cartilha com os princípios para o empoderamento das mulheres, em busca da igualdade de gênero no Brasil:

● Estabelecer liderança corporativa sensível à igualdade de gênero, no mais alto nível.

● Tratar todas as mulheres e homens de forma justa no trabalho, respeitando e apoiando os direitos humanos e a não-discriminação.

● Garantir a saúde, segurança e bem-estar de todas as mulheres e homens que trabalham na empresa.

● Promover educação, capacitação e desenvolvimento profissional para as mulheres.

● Apoiar empreendedorismo de mulheres e promover políticas de empoderamento das mulheres através das cadeias de suprimentos e marketing.

● Promover a igualdade de gênero através de iniciativas voltadas à comunidade e ao ativismo social.

● Medir, documentar e publicar os progressos da empresa na promoção da igualdade de gênero.

Em 1970 apenas 18% das mulheres brasileiras exerciam alguma atividade remunerada. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE, quarenta anos depois deste primeiro levantamento cerca de 53% das mulheres trabalhavam com carteira assinada. Apesar do avanço, em 2010 esse número ainda era 20% menor em relação aos homens.

Isso mostra que algo realmente aconteceu, mas muita coisa ainda precisam mudar para que a sociedade se torne igual para homens e mulheres.

É importante também entender que empoderamento feminino é diferente de feminismo. Feminismo é, de forma bem resumida, um movimento que prega a ideologia da equidade social, política e econômica entre os gêneros. Já o empoderamento feminino é a consciência coletiva, expressada por meio de ações para fortalecer as mulheres e desenvolver a equidade de gênero. É de certa forma uma consequência do movimento feminista e, mesmo estando interligados, são coisas diferentes.